Mindhunter | Crítica


Mindhunter é um thriller psicológico baseado no livro homônimo, que conta a história real do agente John Douglas e sua pesquisa de campo que visa estudar e entender a mente de um psicopata. A série menciona serial killers reais (como Charles Manson) e encontra-se disponível, com 10 episódios, na Netflix.

mindhunter01 Críticas NETFLIX Séries e TV Holden Ford (Jonathan Groff) é um agente do FBI responsável pela negociação de reféns que, após uma negociação frustrada, começa a se interessar pelos perfis psicológicos das pessoas que cometem crimes. Ao ser remanejado para ministrar aulas em Quântico, Holden conhece Bill Tench (Holt McCallany), da Unidade de Ciência Comportamental, e, juntos, iniciam um trabalho de pesquisa, rodando por diversas cidades dos Estados Unidos entrevistando assassinos em série, em presídios.

Esse estudo visa traçar perfis psicológicos de serial killers, quando esta denominação ainda nem existia, a fim de relacionar comportamentos e padrões, com o objetivo de identificar potenciais assassinos antes que estes venham a cometer crimes. Logo após o início do estudo, passam a contar com a ajuda de Wandy Carr (Anna Torv), psicóloga que presta consultoria para o FBI, contribuindo muito com sua visão científica.

Os agentes, durante sua pesquisa, perguntam aos psicopatas como e por qual motivo eles escolheram as vítimas, e percebem que, nessa escolha, há um reflexo de ações que lhe foram infligidas no passado. Na década de 70, na qual se passa a série, havia um pensamento comum de que “psicopatas eram monstros por nascença”.

Com os estudos feitos por Holden e Bill, nota-se que, de certa forma, todos esses psicopatas, em algum momento da vida, foram vítimas também, seja da sociedade, seja da estrutura familiar.  A essa conclusão, seguem perguntas como: os crimes poderiam ter sido evitados se a infância e juventude dos assassinos fossem diferentes? Até onde um trauma é capaz de atingir a mente humana e refletir em vidas alheias?

5378323 Críticas NETFLIX Séries e TV Além de estudar a fundo a mente de diversos assassinos, a série também cria arcos bem interessantes sobre os personagens, destacando várias nuances que compõem suas vidas e a interferência direta do projeto com os detentos sobre os personagens centrais.Como não se fragilizar ao investigar um assassinato de uma criança, quando se tem um filho quase da mesma idade? Como não ficar impactado ao ouvir a declaração fria de um assassino de mulheres, sendo uma mulher?

O aspecto humano dos personagens é muito bem desenvolvido, não destacando nenhum “herói”. São grandes mentes estudando mentes ainda maiores, num thriller psicológico que, em pessoas mais frágeis, pode até causar grande repulsa, devido à forma como os crimes são descritos.

Holden é um personagem focado, revolucionário, obcecado, que não respeita muito as regras e que não impõe limites às suas atitudes, se elas puderem trazer um resultado satisfatório. Bill é um cara mais experiente e “certinho”, que lida com problemas familiares e que frequentemente questiona as ações de Holden. Wandy é uma mulher centrada, ética e visionária, porém muito solitária e esconde um segredo pessoal. O desenvolvimento desses três personagens, ao longo da trama, é muito envolvente e compensador.

mindhunter-s1 Críticas NETFLIX Séries e TV A direção é do David Fincher, já conhecido por filmes excelentes como Seven, Clube da Luta, Garota Exemplar e Millenium, junto com Andrew Douglas. Charlize Theron integra a produção, já que detém os direitos de adaptação do livro. David é muito bom em trabalhar com psicopatia e já deixou isso bem claro em seus filmes.

A narrativa é peculiarmente lenta, mas totalmente apropriada ao desenvolvimento da trama. Essa lentidão é necessária, pois as mudanças nos personagens vão acontecendo conforme eles vão fazendo novas descobertas em sua pesquisa. O que se passa na série é conseqüência do que é estudado pelos personagens centrais.  A inexpressividade de Holden, não se engane, é totalmente proposital. O diretor não fez isso à toa, e isso fica ainda mais evidente no episódio final.

A série é muito bem feita, dirigida e atuada, e te prende até o fim. Foge bastante dos tipos conhecidos, como CSI e Criminal Minds, e te surpreende com um roteiro magnífico. Mindhunter é um suspense psicológico investigativo que estuda a natureza das ações humanas com maestria e profundidade, nos fazendo compreender o real sentido de sermos subprodutos de uma sociedade doente e bagunçada.