Crítica Gratuita | Jogador Nº1

Spielberg mostra que é mestre em cultura pop!

Em “Jogador Nº1”, acompanhamos Wade Watts, que assim como o resto da humanidade, prefere a realidade virtual do jogo OASIS ao mundo real. Quando o criador do jogo, o excêntrico James Halliday morre, os jogadores devem descobrir a chave – ou melhor, as três chaves – de um quebra-cabeça para conquistar sua fortuna inestimável.

Sem dúvida, Jogador Nº1 é um desbunde em diversos sentidos. Visualmente, a parte que compete a computação gráfica é belíssima, com cenários grandiosos, boas capturas de movimento e uma ambientação interessante no “mundo real”, onde parte da ação do filme também acontece.
Parte do desbunde também é proporcionado as referencias, sejam elas de games e filmes, além da trilha sonora, um sucesso a parte. Tentar citar todas as referencias é algo desumano, mas pra citar algo rápido, temos clássicos como “Jump” do Van Halen tocando logo no início do filme, uma referencia direta e sensacional a “Street Fighter” – não quero estragar a surpresa – e um momento mais que especial envolvendo “O Iluminado”, livro de Stephen King levado aos cinemas por Stanley Kubrick.

Claro que nem tudo pode ser tido como “impecável” em Jogador Nº1, já que existem falhas que podem incomodar os mais exigentes. Um exemplo disso é um ponto positivo, I-R0k, um dos vilões. É um personagem muito interessante, com ótimas sacadas, senso de humor e até mesmo visualmente falando, se destaca dos demais. Problema é que não é totalmente desenvolvido, ou seja, não sabemos quem é o seu “eu real”, e ficamos só na vontade de descobrir mais sobre seu “background”.
O mundo real, que parece bem representado nas breves tomadas que temos por lá, não é bem explorado. Não sabemos como a distopia apresentada aqui começou – OK, o filme é baseado em um livro e provavelmente lá é explicado, mas, no filme, NADA… – e por que esse belo cenário não foi melhor apresentado.
Pelo menos para mim, outro aspecto negativo são as atuações. Não que sejam as piores já vistas, mas, funcionam muito melhor quando estão fora do “mundo real”.

Mas, não me resta dúvida de que os pontos negativos são totalmente superados pelos sensacionais aspectos positivos, tornando Jogador Nº1 uma ótima opção para esse final de semana, podendo incluir toda a familia, já que Steven Spielberg sabe como conduzir a direção desse filme para todo o tipo de público.
Não deixe de conferir a crítica desse filme em vídeo, lá no Crítica Gratuita!

Marcus Vinicius Rodrigues da Silveira

Pseudo crítico, amante de terror, suspense e sci-fi em geral, apresentador do Crítica Gratuita.