Critica Gratuita | Deadpool 2

Tem tudo que o primeiro tinha, só que em dobro…mas, consegue ser melhor?

Em Deadpool 2, acompanhamos uma sequencia natural dos eventos do primeiro filme. Wade, também conhecido como o mercenário Deadpool, resolve aceitar trabalhos ao redor do mundo, matando lideres criminosos ao redor de todo o planeta. Em uma dessas missões, acaba trazendo problemas para sua vida, que ia incrivelmente bem, e o leva a tomar atitudes extremas para encontrar respostas.

Dizer mais do que isso, e fazer um link com o que é visto nos trailers, pode estragar a experiência de quem esta de fato interessado em se aprofundar na experiência que o filme proporcina. Mas não, não temos aqui um divisor de águas, um filme que vai mudar o modo como vamos assistir filmes daqui pra frente. Essa missão foi bem executada pelo primeiro filme, que apesar de ter um orçamento bem modesto e um, digamos, roteiro pobre, conseguiu provar que é possível fazer um filme “adulto” envolvendo super-heróis.

Claro que aqui temos tudo que apareceu no primeiro Deadpool – muito humor negro, piadas envolvendo a cultura pop em geral, muita metalinguagem e violência sem pudor.
Digamos que em Deadpool 2, tudo foi “dobrado”, ou seja, temos uma violência ainda mais explicita com piadas ainda mais malucas e referências ao cinema ainda mais abrangente – sobrou até pra DC.

Com um orçamento mais inchado, temos novos personagens, uma evolução nos efeitos especiais – apesar de algumas cenas em CGI terem deixado muito a desejar – e uma proporção maior de cenários e momentos de ação.
Porém, os personagens mais interessantes apresentados – Cable e Dominó – tem uma abordagem um tanto rasa, enquanto alguns momentos do filme poderiam ter sido melhor preenchidos com um poucos mais desses dois personagens.
Um exemplo do mal aproveitado de tempo do filme – que têm duas horas, sem contar as cenas pós-créditos – é que temos quase uma hora de filme para, de modo muito arrastado, fechar o primeiro ato.
Depois disso, temos ainda um pouco de “freio de mão puxado” para de fato entendermos o que o filme quer apresentar e para onde pretende nos levar – mesmo que seja de maneira previsível – e, no fim, temos um ato final que poderia ter sido melhor desenvolvido.

“Marcus, afinal de contas, Deadpool 2 é ruim?!”

Longe disso, porém, sofre o problema que toda sequência sofre quando o primeiro filme é um ponto fora da curva. Temos tudo que funcionou no primeiro, mas faltou o “a mais”.
Vale o ingresso? Demais, sem dúvida. Mas não é melhor que o primeiro.
AH! Pelo amor de Deadpool – quem assistir ao filme vai entender a referência – fique até o final dos créditos. Temos, sem dúvida, a melhor cena pós-crédito de todos os tempos.

Não deixe de assistir a essa critica em vídeo no canal “Critica Gratuita“.

Marcus Vinicius Rodrigues da Silveira

Pseudo crítico, amante de terror, suspense e sci-fi em geral, apresentador do Crítica Gratuita.