Critica Gratuita | Três Anúncios Para Um Crime


Sem resposta da polícia local em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha, Mildred Hayes (Frances McDormand – concorrendo ao Oscar de Melhor Atriz) decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada. A inesperada atitude repercute em toda a cidade e suas consequências afetam várias pessoas, especialmente a própria Mildred e o Delegado Willoughby (Woody Harrelson – concorrendo ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante), responsável pela investigação.
Num resumo rápido, podemos dizer que se trata de um filme simples, rápido e direto: uma mãe forte – que mais do que querer ser, precisa ser forte – que busca justiça para acalmar sua alma, que carrega a culpa de uma frase infeliz, de um momento que poderia ser como qualquer outro, mas que se tornou uma sentença.
Em meio ao caos interno que precisa enfrentar, Mildred nos carrega para uma cidade onde os problemas saltam aos olhos de maneira voraz e cômica de tão absurdamente “normais” que são retratados.
Não há como apontar um antagonista aqui, uma vez que o xerife responsável pela investigação aponta as razões pelas quais não pode levar adiante o caso e sim, parece totalmente plausível. Mas, ao ser intimado para voltar a investigar, acaba por descobrir que não só o caso precisa de uma solução, mas também sua própria vida, que está por acabar devido um câncer terminal.
Se fôssemos de fato escolher um vilão, alguém para termos algum tipo de “asco”, sem dúvida escolheríamos o outro concorrente ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, Sam Rockwell, interpretando o policial racista e sem filtro Jason Dixon. Se cabe a ele o papel de “vilão”, também lhe é dado o posto de “alívio cômico”. Seu “way of life”, lendo quadrinhos no meio do trabalho, falando absurdos convicto de que são verdades absolutas entre outras “pérolas”, fazem dele um personagem realmente singular e que, em meio ao tortuoso caminho que decide seguir, ainda é capaz de conseguir uma redenção – sofrida e pesada, mas digna dos seus absurdos.
Racismo e homofobia são tratados de maneira tão simplória que assusta, levando a pensar que realmente temos muito o que mudar em nosso modo de encarar as coisas.
É improvável não se identificar com pelo menos uma ou duas frases ditas no filme, que soam como socos direto na boca do estômago e mostram que a realidade e ficção, nesse caso, não estão tão distantes quanto gostaríamos.
Sem dúvida, “Três Anúncios Para Um Crime” se tornou o favorito deste que escreve para o Oscar nas categorias em que concorre – como já informado acima, Melhor Atriz, Melhor Ator Coadjuvante (2 atores), Melhor Filme, Melhor Roteiro Original, Melhor Trilha Sonora Original.
Não esqueça de conferir a crítica em vídeo no canal “Crítica Gratuita

Marcus Vinicius Rodrigues da Silveira

Pseudo crítico, amante de terror, suspense e sci-fi em geral, apresentador do Crítica Gratuita.