Disney | Compra parte da Fox por mais de US$ 52 bilhões


giphy Fatos e Curiosidades

Mais uma vez, a Disney mostrou que não está para brincadeira. A companhia anunciou, nesta quinta (14), a compra de partes da Twenty-First Century Fox por nada mais do que US$ 52,4 bilhões. Isso significa que, a partir de agora, os direitos cinematográficos de X-Men e Quarteto Fantástico, por exemplo, são da empresa criadora de Mickey, o que abre margem para junção dos super-heróis dos dois títulos ao universo dos Vingadores.

Apesar do acordo multibilionário, a Disney não pagou tudo o que deve à Fox: ainda restam US$ 13,7 bilhões para entrar no caixa da empresa rival. Mas, é claro, nada que as bilheterias de megaproduções – como Star Wars – não resolva. E, como se não bastasse a grande novidade, parece que até Hugh Jackman, o intérprete do Wolverine, demonstrou interesse em voltar às telas na pele do herói, ainda que o mesmo tenha dito anteriormente que não pretendia voltar a ser o mutante. Vamos aguardar.

Além dos personagens da Marvel, a Fox também tem o controle de franquias como Alien, Duro de Matar, Planeta dos Macacos e Avatar, fora os desenhos animados como Os Simpsons e Family Guy.

De uns anos para cá, a Disney adquiriu os direitos da Pixar, Lucasfilm, Marvel e, agora da Fox. Tudo indica que as negociações também aconteceram para criar um serviço de streaming de peso em 2019, no intuito de concorrer com a Netflix.

E Deadpool?

 

giphy Fatos e Curiosidades

Embora o acordo seja uma luz no fim do túnel para a franquia X-Men, o futuro de Deadpool ainda é incerto. Será que a Disney permitirá as piadas, cenas violentas, comentários sexuais e o humor ácido do antiherói? Ainda é difícil dizer, mas o que se comenta por aí é que as alterações serão mínimas. Afinal, não dá para mudar a personalidade original do personagem, muito menos mexer numa produção com retornos majoritariamente positivos. Só o tempo, ou melhor, a Disney dirá.

Jenas

Louca por games, animes, mangás, séries, filmes e tudo o que desperte (e alimente) minha imaginação. Ah, se eu pudesse fazer dungeons em carne e osso...